Trabalhadores da educação alertam para mercantilização do ensino
By Administrador On 29 out, 2015 At 04:00 PM | Categorized As CUT Nacional | With 0 Comments

Sob o pretexto de uma crise política no País, a direita têm conseguido fazer prevalecer uma agenda conservadora, que castra os direitos civis e trabalhistas, e impõe políticas neoliberais na gestão de alguns estados. No bojo dessa conjuntura, está a mercantilização da educação.

Em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou o fechamento de 94 escolas. A medida foi tomada sem qualquer discussão com a sociedade e muito menos com a comunidade estudantil.

O receituário foi copiado por Beto Richa (PSDB), governador do Paraná, que sob a mesma alegação de “otimização” do ensino, anunciou o fechamento de 40 escolas. O APP-Sindicato, que representa os professores e trabalhadores do ensino público paranaense, contesta e informação e alega que serão 100 unidades fechadas.

Janeslei Aparecida Albuquerque, secretária de Mobilização e Relação com os Movimentos Sociais da CUT, que é professora no estado do Paraná, acredita que por trás das medidas adotadas por Alckmin e Richa está uma política neoliberal de tratar a educação como produto e não direito.

“O Beto Richa aprovou a lei das OSs (Organização Social) e têm passado para as empresas a administração das unidades de ensino no Paraná. Não é um critério pedagógico, é econômico, ele está apenas ampliando a oferta aos empresários”, afirmou a dirigente cutista.

Em São Paulo, a irresponsabilidade de Alckmin fica evidente ao notar que 30 das 94 escolas que serão fechadas mantém desempenho acima da média estadual no Idesp 2014, indicador de qualidade do ensino no estado.

“Por trás desse discurso de corte de custos e readequação do ensino, está a marca registrada do PSDB, é o modelo tucano de pensar a educação, mercantilizando. A proposta é que a educação seja um produto e não um direito”, afirma Roberto Leão, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação.

Leão e Janeslei alertam para o perigo de expansão da prática adotada pelos governos de São Paulo e Paraná pelo País. “Há o risco de ressonância nacional, principalmente diante do atual cenário político, com medidas de ajuste fiscal”, afirma o presidente da CNTE.

“Esse processo de redução da máquina pode ser ampliado sim, e preocupa também a condição dos trabalhadores e trabalhadoras, já que esse processo de corte de gastos tem afetado diretamente o serviço público, incluindo a educação”, alerta Janeslei.




Fonte/extraído de: Trabalhadores da educação alertam para mercantilização do ensino

comment closed