Paulo Henrique Amorim e um Brasil que a Globo não mostra
By Administrador On 20 nov, 2015 At 11:00 AM | Categorized As CUT Estadual SC | With 0 Comments

Estava programada uma hora de palestra, mas o jornalista Paulo Henrique Amorim estendeu a conversa por quase duas horas.  Os participantes ficaram vidrados em suas palavras e o jornalista só era interrompido quando a plateia puxava aplausos calorosos para saudar alguma colocação de Paulo Henrique.

A palestra que fazia parte da 67º Plenária da FECESC aconteceu na manhã do dia 19 de novembro no SESC Cacupé em Florianópolis. O jornalista, que embora trabalhe numa rede de comunicação da mídia privada, trouxe para os palestrantes uma avaliação de conjuntura do que é o Brasil que a Globo não mostra. Ele trouxe dados e citações de economistas nacionais e internacionais que afirmam que a situação do país não é o caos que a Rede Globo apresenta. Ele argumentou que passamos por uma crise, mas que ela é muito mais política do que econômica.

Paulo Henrique Amorim também fez uma avaliação da classe social que ascendeu no país, segundo ele esse crescimento econômico de grande parte do povo brasileiro, foi percebido pela classe alta dentro dos aeroportos, nos engarrafamentos e nos mercados. “Mas nós temos uma classe média no país que esqueceu quem os ajudou a subir, esqueceu quem colocou a escada”, afirmou o jornalista que avaliou que esse crescimento se deu nos governos de Lula e Dilma que priorizaram a ascensão social e a redistribuição de renda.

O jornalista que já trabalhou na TV Bandeirantes, na Revista Veja e na Rede Globo, não tem papas na língua para falar do envolvimento da maioria da imprensa com partidos políticos de direita. Segundo ele, o maior conglomerado de comunicação do país, a Globo, vende para os brasileiros e para o resto do mundo, um Brasil quebrado, um país miserável e em crise. Ainda de acordo com Paulo Henrique Amorim, as televisões é que vivem uma crise. Com o aumento de uso da internet, grande partes dos investimentos publicitários estão sendo deslocados para essa mídia, como é o caso da empresa Google que hoje é o 2º maior destino de publicidade no país.

Paulo Henrique Amorim, também fez suas críticas aos governos Lula e Dilma e os Ministros de Comunicação indicados por eles, segundo o jornalista todos os que ocuparam o Ministério tinham aval das grandes empresas midiáticas e nenhum deles teve a coragem de trazer para o debate a democratização da comunicação. “Essa despoliticação do povo brasileiro também é culpa do Partido dos Trabalhadores, que não soube fazer o debate da importância da democratização da mídia e não teve coragem de trazer esse debate para a sociedade brasileira”, afirmou Amorim.

Ao final da palestra, Paulo Henrique Amorim concedeu uma sessão de autógrafos no seu livro recém-lançado “O quarto poder”, que teve muitos exemplares vendidos para os participantes da 67º Plenária da FECESC.

Quem não conseguiu participar dessa atividade, poderá prestigiar o jornalista no dia 27 de novembro no 1º Encontro Estadual dos Blogueiros e Ativistas que vai acontecer no auditório Elke Hering da Biblioteca da UFSC, campus da Trindade, em Florianópolis e tem o apoio da CUT-SC.




Fonte/extraído de: Paulo Henrique Amorim e um Brasil que a Globo não mostra

comment closed