O ataque ao serviço público do Governo Colombo
By Administrador On 26 nov, 2015 At 10:00 AM | Categorized As CUT Estadual SC | With 0 Comments

O governo Colombo, usa o discurso da crise para justificar a sociedade um dos maiores ataques ao serviço público catarinense e como um rolo compressor avança sobre estes trabalhadores. Sob o pretexto de que é necessário o corte de gastos o governo usa o ajuste fiscal para implementar uma política de arrocho salarial aos setores que atendem aos direitos mais básicos da população que são a saúde, segurança e a educação. No entanto, o governador Raimundo Colombo afirmou em entrevista ao DC que: “Não é um problema de caixa. É uma questão ideológica”.

Sob a justificativa de déficit na previdência estadual, está para ser aprovado ainda esta semana o projeto de lei que aumenta o índice de contribuição dos servidores de 8% para 14%, uma medida que busca manter o pagamento das aposentadorias e pensões milionárias de um grupo privilegiado de servidores e que certamente a maioria dos trabalhadores da segurança, saúde e educação fazem parte.

Todos sabemos que a violência vem aumentando de forma assustadora em nosso estado e a falta de efetivo policial é um dos problemas que precisa ser enfrentado. Porém, ao invés de valorizar estes trabalhadores, o governo envia a ALESC um projeto de lei já aprovado pelos deputados de sua base aliada que aumenta a jornada de trabalho dos policiais, o que pode colocar em risco ainda mais a segurança da população.

Plano de Carreira do Magistério – Para a educação catarinense o governo reservou um pacote especial. Depois de massacrar a categoria em 2011 com o achatamento brutal de sua carreira e apesar da vontade do sindicato em discutir uma proposta decente para a categoria o assunto se arrastou e quando indagado, o Secretário da Educação Eduardo Deschamps afirmou que se a proposta fosse apresentada não seria aceita pelos trabalhadores da educação.

Ignorando o acordo feito com o sindicato, o secretário iniciou uma cruzada pelo estado para convencer a categoria das boas intenções do governo sobre a proposta do plano de carreira e grande parte dela embarcou nessa ideia. No entanto, esqueceu-se de avisar que segundo o princípio maquiavélico. “A politica é a arte de mentir e enganar”,

Aqueles que estão calejados da luta sabem que nem tudo que é dito pelo governo é cumprido, mesmo assim optamos em continuar o processo de negociação que se estendeu por mais de sessenta dias, mas as propostas discutidas na mesa foram totalmente ignoradas.

O lobby de Colombo com as emendas parlamentares – O governo Colombo está promovendo um ajuste fiscal profundo e irresponsável, são dois milhões que Colombo liberou em forma de emendas numa flagrante política do “toma lá dá cá”, para alguns deputados. Esta política recai somente sobre os servidores públicos e coloca em risco a segurança, a saúde e a educação catarinense e leva os deputados votarem sem qualquer compromisso com os interesses da sociedade. Uma política bem diferente do bordão principal de sua campanha de reeleição “As pessoas em primeiro lugar”.

Se o governo persistir na política de beneficiar apenas alguns grupos econômicos, através da renúncia fiscal, abrindo mão da arrecadação para beneficiar os empresários financiadores de suas campanhas eleitorais, em valores que chegam a montantes de 5,45 milhões para o próximo ano, é obvio que não teremos recursos para políticas públicas que atendam às necessidades da população.

Aprovação do Plano Estadual de Educação – Infelizmente o que se viu no dia 24 de novembro, foi a ampla maioria dos deputados alheios a qualquer discussão sem conhecimento de causa apenas apertando friamente os botões rejeitando emendas que solucionariam os problemas centrais da educação catarinense, como:

1.       A adoção do Custo Aluno Qualidade, o parâmetro de financiamento para a educação; a manutenção do limite máximo de alunos por sala de aula;

2.      Realização de concurso público a cada dois anos (para voltarmos a ter um quadro de educadores efetivos nas escolas, uma vez que a política de ACTS não permite a continuidade);

3.       A regulamentação dos recursos oriundos dos royalties e fundo social do petróleo, aplicando 100% na valorização do magistério;

4.      Diretrizes de carreira, eleição direta para diretores com lei específica; aplicação de 1/3 de hora atividade como hora aula, conforme parecer do CNE/LDB 18/2012.

Além, disso, aprovaram a emenda que retira do texto a questão da igualdade de gênero e opção religiosa, na formação de professores impedindo qualquer alusão ao tema em sala de aula. Isto significa um retrocesso histórico na luta pelos direitos das minorias especialmente do direito a identidade de gênero e o direito das mulheres retomando dogmas de machismo e preconceito religioso.

Colombo ataca o serviço público em todos os flancos e seus efeitos serão sentidos no atendimento à população, que já sofre pela falta de segurança, atendimento precário na saúde, sem falar nas escolas sucateadas e sendo fechadas forçando os estudantes a saírem de suas comunidades/bairros para dar continuidade a seus estudos. Basta dar uma espiada, nas escolas públicas estaduais, as que estão em boas condições físicas são exceção, e nenhuma tem suporte tecnológico para operar as multimídias uma ferramenta fundamental para o trabalho dos professores.

A educação conclama a população para que se junte aos servidores impedindo assim a continuidade dos ataques feitos pelo governo do estado que está desmontando o serviço público via o projeto do SCPREV, Plano de Carreira do Magistério, lei dos ACTs, votados a toque de caixa na ALESC que aprofundarão a crise.




Fonte/extraído de: O ataque ao serviço público do Governo Colombo

comment closed