Mulheres da CUT participam de momento histórico na CSA
By Administrador On 15 set, 2015 At 04:00 PM | Categorized As CUT Nacional | With 0 Comments

Políticas públicas brasileiras, como os direitos das mulheres trabalhadoras domésticas conquistados nos últimos anos, seguindo a convenção 189 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e conquistas sindicais, como a paridade na Central Única dos Trabalhadores (CUT), no qual metade homens e metade de mulheres assumirão as direções da entidade por todo país, foram contadas para mais de 200 mulheres de 30 países na l Conferência de Mulheres da CSA.

A Confederação Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras das Américas é a expressão sindical regional mais importante do continente americano. Fundada em 27 de março de 2008 na Cidade do Panamá, ela filia 53 organizações nacionais de 23 países, que representam mais de 50 milhões de trabalhadores/as. A CSA é a organização regional da Confederação Sindical Internacional (CSI).

“A participação da CUT em entidades sindicais internacionais são importantes para unificar e potencializar reivindicações das mulheres. Tanto a CSI, quanto a CSA sempre tiveram papéis importantes nas conquistas de direitos”, explica a Secretaria Nacional de Mulheres Trabalhadoras da CUT, Rosane Silva.

Considerado pelas mulheres um marco para o movimento sindical, a CSA junto com o Comitê das Mulheres Trabalhadoras nas Américas (CMTA) organizaram a I Conferência de Mulheres “Democracia, Autonomia das Mulheres e da Igualdade dos Géneros” na cidade do Panamá entre os dias 9 e 11 de setembro. 

No encontro foram discutidos temas como: direitos sexuais reprodutivos, igualdade salarial entre homens e mulheres, autonomia no direito de decidir, autonomia das mulheres, democracia, políticas públicas, entre outros, uma troca de informações e propostas.

“Mesmo vivendo em países tão diferentes, a gente percebe por meio da conferência que os problemas e conflitos que nós temos no Brasil não são diferentes das mulheres que vivem no México, Argentina, Guatemala, Costa Rica e em toda nossa região. Por isso é através da unidade, da solidariedade das mulheres que a gente vai transformando este mundo tão desigual e tão cruel para nós”, destacou Rosane. 

A secretária nacional das mulheres trabalhadoras da CUT também explicou que essa conferência foi construída coletivamente na CSA. “Essa conferencia representa pra nós um aprofundamento da nossa auto organização, com o objetivo de que nós mulheres fossemos as produtoras da nossa própria pauta”, conta Rosane Silva.

Uma delegação de 10 mulheres da CUT estiveram presentes. Além de Rosane, foram para o encontro: a Secretária-Geral adjunta, Maria Godoi de Farias, Secretária Nacional de Comunicação, Rosane Bertotti, Secretária de Relações do Trabalho, Graça Costa, Secretária de Combate ao Racismo, Maria Julia Reis Nogueira, Secretária de Saúde do trabalhador, Junéia Martins Batista e a Secretária da Mulher da Contraf-CUT, Elaine Cutis, Fátima Veloso, secretária de Relações do Trabalho da CNTSS-CUT; além de dirigentes da Confederações Nacionais dos Trabalhadores em Educação (CNTE-CUT), Selene Michelin e dos Metalúrgicos (CNM), Catia Barboza.

Para a Secretária-Geral Adjunta da CUT, Maria Godoi de Farias, esse foi um momento histórico na CSA. A participação da CUT foi muito importante, porque além de todas as bandeiras que a entidade sempre levantou nos direitos das mulheres, também podem ser exemplo na construção da paridade. “Nós mostramos para as mulheres das Américas que mesmo depois de aprovada ainda tivemos dificuldade. As pessoas acham que a conquista foi o suficiente, mas não. Nós queríamos a paridade, mas também atender as regiões do país, os ramos. Tem que conciliar tudo, é um processo em construção. A gente deu exemplo de que é possível”, finaliza Maria.

Mas as mulheres discutiram também pautas gerais. A Secretária de Saúde do Trabalhador da CUT, Junéia Batista, lembrou que em tempos de ajustes fiscais as mais prejudicadas são sempre as mulheres. “É importante a mulher, além de lutar por pautas específicas para as mulheres, também participarem das discussões de política, economia mais geral, porque quem sofre a violência econômica somos nós”, justificou Junéia.

Desta conferência saiu uma resolução. O texto foi elaborado em conjunto por todas as organizações filiadas e contém eixos que demandam: a promoção da igualdade de gênero nas áreas: trabalhista, sindical e sócio-político, bem como a construção da autonomia das Mulheres: Física, econômica, juntamente com as conclusões e linhas de ação.

Para Rosane Silva isso retrata, por exemplo, que os temas das mulheres vão estar no centro de debate da CSA. “Nós vamos levar o tema democracia, autonomia, igualdade entre homens e mulheres como temas centrais que a CSA tem que olhar com a mesma centralidade que olha para as pautas gerais”, destaca Rosane.

“Tem uma frase da Marcha Mundial das Mulheres que diz o seguinte: “Pra mudar o mundo nós precisamos mudar a vida das mulheres e para mudar a vida das mulheres é preciso mudar o mundo. Então esta luta é contra o capitalismo e contra o neoliberalismo, que é uma luta de todos nós”, finaliza a dirigente.




Fonte/extraído de: Mulheres da CUT participam de momento histórico na CSA

comment closed