Movimento LGBT da região quer retomar organização visando conferência nacional
By Administrador On 30 jun, 2015 At 02:55 PM | Categorized As Notícias, Siserp, Slides | With 0 Comments

CRICIÚMA (30/06/2015) O movimento LGTB (Lésbicas, Gays, Transexuais e Bissexuais) da região carbonífera precisa retomar seu processo de organização, iniciado no princípio desta década, e se mobilizar para realizar conferências municipais, ou uma regional, para participar da conferência estadual e, finalmente, integrar a  3ª Conferência Nacional de Políticas Públicas de Direitos Humanos de LGTB´s. (Leia mais em http://www.sdh.gov.br/noticias/2014/dezembro/conferencias-nacionais-dos-direitos-humanos-serao-realizadas-em-dezembro-de-2015).

A decisão e importância da organização e mobilizações regionais foram tiradas no seminário promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Criciúma e região (Siserp/CCR), realizado na noite de segunda-feira (29), para marcar, na região, a passagem do “Dia Internacional do Orgulho LGTB”, que transcorreu no dia anterior. “Não é mais possível fazer de conta que estas pessoas não existem, que não tem trabalhadores em nossa ou qualquer outra categoria, que integre este mundo e que tem direitos que precisam ser respeitados”, disse a presidente do Siserp, Maria Bárbara Teixeira Righetto. Jucélia Vargas de Jesus, diretora do sindicato, frisou que a proposta foi abrir portas e, sobretudo, o debate na categoria e no movimento sindical.

Participaram do evento cerca de 40 pessoas e entre elas a psicóloga Rita de Cássia Guimarães, servidora municipal em Balneário Rincão, militante do segmento e fundadora do Movimento Catarinense LGTB e, ex-servidora de Criciúma, onde contribuiu para que fosse criada a ONG Deusas da Noite, de transexuais. Integrante do grupo que organiza a conferência estadual, informa que o evento catarinense deve ocorrer em novembro e os municípios e regiões devem, antes, promover suas conferências.

O problema, segundo Rita, é que há a exigência legal da participação nestas conferências do poder público municipal, ou regional. Portas não têm sido abertas á diversidade, lamenta. Foi por este tipo de comportamento, que não é recente, informa, é que a ONG Deusas da Noite, praticamente, se extinguiu, relatou sua primeira presidente, Jenifer Alamini, testemunhando “como eu, transexuais se prostituem por terem sido abandonadas pela escola”, disse.

Sueli Adriano, presidente do sindicato dos servidores municipais de Blumenau, ativista e apoiadora do movimento LGTB também participou do evento em Criciúma. Apesar de seu envolvimento e apoio pessoal, reconhece que sua cidade, de perfil conservador, “ainda não fez o dever de casa”, inclusive no movimento sindical. Também de Blumenau, Lenilso Luis da Silva, coordenador do Coletivo Liberdade, palestrou afirmando que “não queremos fazer um mundo gay, queremos apenas ter direito a vida”, apontando estatísticas que apontam o Brasil como campeão mundial em homofobia e homicídios vitimando LGTB´s.

As questões de orientação e ideologia de gênero, tendo como pano de fundo os planos municipais de educação ganharam destaque no seminário criciumense promovido pelo Siserp. “O Estado é laico, não pode dizer o que é pecado, as pessoas não podem querer regulamentar os direitos dos outros por conta de suas crenças religiosas”, disse Maicon Medeiros, professor da rede municipal de Criciúma e dirigente do Siserp, não dando ainda por encerrada a decisão da Câmara de Vereadores  e Prefeitura de Criciúma em torno do projeto de lei que estabeleceu o plano municipal de educação.

Mais informações:

Jucélia Jesus – 9919-3357;

Maicon Medeiros – 9929-1037

Rita de Cássia Guimarães – 9994-2290 – 9677-5123

 

comment closed